747 parte 3

Eu nunca tinha pego em uma enxada, não sabia o que era trabalhar na lavoura. Me deram uma bota, sete léguas, luvas, um carrinho de mão e uma enxada para a terapia ocupacional.

Fiquei alguns dias e depois fui pastorear o gado, minha nossa fiquei morrendo de medo do boi me chutar com sua pata, eu os tratei com muita educação e amor. “Vamos boizinhos para o pasto”, eu dizia com carinho para eles  ficarem bonzinhos comigo e me obedecerem. Mas teve um  rebelde que impacou e não quis  sair do lugar, aí tive que bater em seu  traseiro com uma vara que tinha em mãos, para ver se ele saía do lugar. Mas  ele continuou, olhou para trás com uma cara enfezada, a qual foi suficiente para eu sair correndo, quase chorando. No outro dia graças a Deus fui escalada para  trabalhar na colheita do milho, cada dia passava por um lugar. Também trabalhei na plantação de tomate e pimentão. Até que eu gostava da atividade, preferia estar na lavoura do que estar na cozinha ou na casa. Minhas mãos enchiam de bolhas e calos se formavam em minhas mãos finas e delicadas. As luvas  me  incomodavam e eu preferia trabalhar sem elas, sem evitar desta forma os calos. Até então eu estava conseguido levar minha recuperação. Mas o pior me aguardava, depois três meses de lavoura, eu fui transferida de setor de trabalho. Neste dia era um alvoroço. Todas nós ficavamos numa grande expectativa de saber onde iriamos trabalhar e quem seria nossa coordenadora de setor. Eu estava ansiosa, quando vi a monitora chefe passar por nós colocando no gráfico a lista com os nomes das alunas, contendo as novas atividades a serem desenvolvidas nos setores de trabalho. Meus olhos ligeiramente percorreram a lista, rápido foquei meu nome e para minha surpresa quase desmaiei de tristeza ao ver meu nome.

Laila Oliveira – Setor: Chiqueiro.

As meninas me olharam querendo rir mas a monitora estava perto intimidando-as e não foi possível. Eu sai frustada, arrasada, odiosa de estar naquele lugar. Cuidar dos porcos era o serviço mais humilhante e fedido da instituição e foi para este serviço que fui escalada.

O que você achou deste episódio? A recuperação estava sendo fácil ou difícil?

12 Respostas para “747 parte 3”

  1. Laila Maffra disse:

    Pois é hoje estou bem, mas antes estava um trapo… louca mesmo!!! graças a Deus sai dete poço escuro. E o Pai invisivel me fez ser bonita novamente.

  2. laila voce ja passou por isso eu ja sabia porque eu ja tinha lido no livro mais e tao dificil de acreditar que uma pessoa tao bonita e com maos tao delicacas como voce iria estar num lugar dqueles mais eu sei que pura verdade bjs

Deixe seu comentário