Renascimento parte 1

Antes de entrar neste capítulo, quero ressaltar algo que não coloquei no livro. É sobre as visitas, desde quando eu completei quarenta dias  eu tinha direito a visita. Neste dia as meninas ficavam felizes, se arrumavam para esperar seus familiares, quando os carros começavam a chegar, elas corriam para abraçar seus parentes e amigos.  Aquilo me deixava muito infeliz, em saber que  minha mãe por morar em outro estado não podia me visitar, eu ficava no quarto deprimida, com uma vontade louca de sair daquele lugar. Minha recuperação não estava indo bem, tudo contribuia para a desistência.

Quase todas as noites eu sonhava que estava me drogando, talvez fosse reflexo da vontade que eu tinha de usar. Mesmo sabendo que se voltasse para Manaus seria entregue à Febem, decidi que desistiria do tratamemto, essa decisão era irrevogavél. Comuniquei a minha decisão a minha conselheira, ela tentou convencer-me mas não adiantou, as meninas também tentavam me convencer mas eu estava decidida a ir embora. Eu não queria ficar mais naquele lugar, percebi que como robô eu seguia as normas e obedecia, mas não estava passando pelo processo de recuperação. E quando isso não acontece a vontade pelo químico prevalece, e tudo que você deseja é sair para se drogar. Eu estava sendo sincera comigo mesma, apesar de não confessar para minha conselheira.

A metodologia do programa ainda não tinha me atingido, e tudo passou a ser rotina. Eu achava que já estava boa para ir embora e ia me drogar só uma vez, para matar a saudade e depois ia parar, será?

Na manhã quando fui a capela para atividade de espiritualidade, algo passou a me chamar atenção. As meninas que tinham mais tempo de uso de droga do que eu estavam vencendo as drogas, porque eu não estava conseguindo? Pela manhã na terapia espiritual ao cantar louvores, elas eram tomadas por uma força transcedental, choravam e se ajoelhavam em prantos dizendo: “Oh Deus obrigada por me tirar das drogas! Me perdoa por ter jogado no lixo a vida bela que me deste para viver!” Frases lindas carregadas de sinceridade saiam de seus lábios. Elas falavam e choravam num choro convulssivo, como se fosse um momento de cura interior. Elas  falavam com Deus em oração com tanta intimidade como se Ele fosse humano e pudesse tocá-lo. Em outro momento elas tocavam e dançavam como se estivesse em uma escola de samba, irradiavam alegria e paz de dar inveja. Aquele espetáculo jamais visto passou a me chamar atenção, as novatas ficavam espantadas diante daquele extase. Eu de olhos abertos sem querer perder nenhum momento da cena, ficava vidrada olhando para elas, elas exibiam fé e clamavam pedindo a Deus força para vencer o poder das drogas. Umas se ajoelhavam de mãos para cima e pediam para Deus reconstruir suas vidas e pediam mais uma chance.

5 Respostas para “Renascimento parte 1”

  1. Josias disse:

    Oi Laila de novo Gostei muito desse capítulo pelo fato de As Pessoas sentirem o espirito Santo O Capítulo Renascimento Pra mim e o melhor Na verdade todos são bons + pra mim esse e o Melhor

    Com carinho Josias

Deixe seu comentário